Cabo Verde: Sal, a ilha onde tudo começou

As ilhas de Cabo Verde ao contrário daquilo que se possa pensar têm muito pouco de verde. Desengane-se quem vai para lá à procura de algo repleto de vegetação abundante, como os Açores por exemplo. Por ali, a cor predominante é mesmo o castanho. Castanho até perder de vista. Não é difícil por isso imaginar o quão infértil e quase inóspita a terra é. A ilha do Sal, por exemplo, é tão árida que a sua paisagem mais se assemelha à da Lua. Não há água potável. Mas se a ilha e o país em geral são assim tão secos, o que atrai afinal os turistas? Resposta fácil: é verão o ano inteiro e a água do mar é quente, azul esverdeada, bonita e muito cristalina!

Cabo Verde: bilhete de identidade

Se as ilhas não têm nada de verde, então qual a origem do nome do país? Na verdade, não se sabe bem, mas crê-se que tenha tido influência e origem no nome de uma povoação do Senegal, dada a proximidade geográfica entre ambos os países. Cabo Verde está localizada em pleno oceano Atlântico, ao largo da costa africana, mais precisamente a 450 quilómetros do Senegal.

No total, o arquipélago é constituído por 10 ilhas, cada uma diferente da anterior, e 8 ilhéus. As ilhas dividem-se em dois grupos consoante a sua posição face aos ventos predominantes de Nordeste: as ilhas a Norte (da qual o Sal faz parte) e as ilhas a Sul. É neste grupo que se encontra a ilha de Santiago, cuja sua principal cidade, com o nome de Praia, é também capital do país. A ilha mais verde e montanhosa é Santo Antão e esta contrasta totalmente com a do Sal, plana, árida, seca e desprovida de água potável.

Mapa de Cabo Verde, D.R.
Distâncias relativamente ao resto do mundo

Um pouco da história de Cabo Verde

A herança portuguesa está presente em todo o país. Para perceber a sua origem, é preciso viajar até ao século XV. Ao ano de 1460 mais precisamente, quando o português Diogo Gomes e o genovês Antonónio de Noli chegaram às primeiras ilhas de Cabo Verde. As restantes seriam descobertas nos anos seguintes. Daí até ao início e expansão do comércio de escravos foi um mero passo. Com a economia a crescer, Duarte Lobo foi nomeado em 1585 como primeiro governador de Cabo Verde. A primeira povoação a ser elevada à categoria de cidade foi Ribeira Brava, a que se seguiram depois outras com o passar do tempo. Desde 1650 Cabo verde passou também a administrar outra ex-colónia portuguesa: a Guiné Bissau. Os séculos XIX e XX viriam a ser marcados por dois grandes períodos de fome, levando à morte de milhares de pessoas e ao êxodo em massa de muita outras.

O processo de libertação do país da colonização portuguesa dá-se em 1956 pela mão de Amílcar Cabral, fundador do PAIGC – Partido Africano para a Libertação da Guiné-Bissau e Cabo Verde -, na Guiné Bissau. Não chegou vivo à declaração de independência dos dois estados, a 5 de Julho de 1975. Desde então, Guiné Bissau e Cabo Verde passaram a ser governados pelo PAIGC, tendo Cabo Verde optado finalmente pela independência e pela separação da Guiné Bissau quando esta, anos mais tarde, se vê a braços com um golpe de Estado. O PAICV – Partido Africano de Independência de Cabo Verde, torna-se assim o único partido existente no país. A nova constituição viria em 1992 a consagrar um regime multipartidário no país. A atual bandeira cabo-verdiana também foi revista nessa altura, a 13 de Janeiro de 1992 mais especificamente.

Bandeira de Cabo Verde, D.R.

O país da ‘morabeza’

Cabo Verde nunca foi um país em guerra, ao contrário de grande parte dos seus congéneres em África. Talvez por isso as suas gentes sejam tão hospitaleiras e gentis, recebendo de braços abertos todos aqueles que a visitam. Os cabo-verdianos têm alegria de viver. O país é ‘morabeza’, uma palavra à qual é difícil encontrar sinónimos, mas que se prende com essa alegria de viver, de que falei anteriormente. Da cortesia, da gentileza e da genuinidade de quem por ali vive. O sorriso abre-se facilmente não fosse este país um dos sorrisos de África. E no Sal, obviamente, também assim é.

Morabeza: gente feliz, amável e hispitaleira

Ilha do Sal: onde tudo começou

O Sal foi a primeira ilha a ser descoberta em Cabo Verde. Em 1460, como afirmei acima. Mas apenas foi a última a ser povoada, já que, tal como agora, o solo era extremamente árido e não possuía qualquer água potável. A vida, ali, era impossível. Tal como na Lua. Daí as semelhanças entre ambas. Inicialmente, foi apelidada de Lhana, por ser totalmente plana. O nome da ilha só viria a mudar para o atual, Sal, no séc. XIX quando a forte indústria de sal ali existente viria a puxar pelo seu povoamento e desenvolvimento.

Aridez no meio da ilha do Sal

As potencialidades desta indústria de sal desde cedo interessaram ao genovês António de Noli, um dos descobridores da ilha, que ali viu uma ‘nova mina’ para fazer dinheiro. E ele estava certo. Não viveu foi para ver o quanto essa indústria se ia desenvolver nos séculos seguintes. As primeiras pessoas a chegar à ilha para trabalhar nesta indústria vieram de outras ilhas de Cabo Verde, em 1883. E foram elas as responsáveis por povoar a ilha. A indústria de sal foi mesmo a principal responsável pelo desenvolvimento e geração de riqueza no Sal até 1980, mas hoje está em declínio. Somente na localidade de Pedra do Lume e, também, em Santa Maria, ainda se desenvolve esta indústria. Nada como antigamente.

Indústria de sal em Pedra do Lume, atualidade
Mapa da ilha do Sal, D.R.

O turismo em massa substituiu aos poucos a indústria de sal como principal geradora de riqueza do Sal e enquanto motor do seu desenvolvimento económico. Apesar da aridez, o mar da ilha, translúcido, azul esverdeado e de temperatura quente, atrai milhares de turistas anualmente. E é preciso rumar até ao sul do Sal, à localidade de Santa Maria, para ver esse mar. E que mar. A linha de praia é extensa e o areal é muito branco. Há grandes resorts e muitas unidades hoteleiras por ali. A conjugação destes fatores com a proximidade da Europa (apenas quatro horas de avião de Portugal) e com a segurança sentida facilmente explicam a explosão do turismo na ilha nos últimos anos. E na globalidade de Cabo Verde ao fim ao cabo.

Mais sobre férias de sonho e de turismo na ilha do Sal no post da próxima semana.

Férias de sonho na ilha do Sal
Férias de sonho na ilha do Sal

Leia aqui os restantes artigos sobre a ilha do Sal, em Cabo Verde:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *