Londres: um pequeno circuito pela City

Perto de Westminster e de Southbank, é possível visitar outra das zonas mais conhecidas de Londres: a City. Situada nas margens do rio Tâmisa, a região combina como poucas um emaranhado de ruas e praças da época medieval com edifícios financeiros modernos e atuais. Na City é ainda possível encontrar algumas das mais importantes atrações turísticas da cidade. Uma das mais conhecidas de todas, projetada por Cristopher Wren, é a catedral de São Paulo. O passeio de hoje começa justamente aqui e passa ainda pela Tower of London, Tower Bridge, London City Hall e pelo The Shard. São os quatro ‘must-sees’ do pequeno circuito que proponho fazer calmamente a pé, ao longo de uma manhã e da tarde, quando estiver por Londres.

Catedral de São Paulo

A catedral de São Paulo é a igreja mais importante e conhecida de Londres. Pela sua cúpula, uma das maiores do mundo, há quem diga que se assemelha um pouco à basílica de São Pedro, no Vaticano. A igreja data de 1711 e foi construída por Cristopher Wren após o grande incêndio de 1666, que devastou Londres. O artista foi também o responsável pela construção de várias outras igrejas mais pequenas na zona da City. A catedral de São Paulo foi a primeira igreja construída em Londres para o culto protestante.

A entrada na catedral dá-se pela fachada ocidental dominada por duas grandes torres gémeas, símbolos de paz e de prosperidade. Quando visitar o interior, não deixe de reparar no cadeiral e no órgão do coro, nos tetos de mosaicos aí existentes, na chamada galeria dos Suspiros (localizada na cúpula) e, finalmente, no altar-mor feito em mármore italiano. A catedral de São Paulo foi construída no lugar anteriormente ocupado por uma igreja feita em madeira, também ela dedicada a São Paulo. A entrada na catedral é paga (o valor é de 18£, mas desce para 16£ se o bilhete for comprado online). A última entrada é às 16 horas.

NOTA: Para mais informações sobre a catedral, consulte a página oficial clicando aqui.

Cúpula da catedral de São Paulo
Fachada ocidental com as suas duas torres, catedral de São Paulo

Tower of London

A Tower of London é outra das atrações turísticas imperdíveis numa visita à cidade. A torre, também conhecida como White Tower, foi mandada construir por Guilherme I, o Conquistador, no séc. XI com o objetivo de defender a cidade das invasões normandas. Em simultâneo, a torre tinha como função levantar a moral da população anglo-saxónica. E a torre mais não é do que uma enorme fortaleza com fosso construída nas margens do Tâmisa. Ao longo do tempo, a torre foi usada como prisão política (o bispo de Durham, Henrique VI e as mulheres de Henrique VIII que o digam), arsenal da cidade, depósito das jóias da Coroa britânica e real casa da Moeda. Atualmente, a cunhagem da moeda não é mais feita ali, mas sim na vizinha Tower Hill.

Durante a visita, não deixe de apreciar a coroal imperial do Estado, a mais deslumbrante de entre todas as expostas na Jewel House. Esta coroa tem ao todo quase 3 mil diamantes e uma grande safira no seu topo. São também imperdíveis as exposições que abordam os assassinatos políticos que tiveram lugar na Bloody Tower, as relacionadas com as execuções de vários nobres da cidade, na Tower Green, e ainda as que destacam as experiências vividas pelos prisioneiros da torre, na Beauchamp Tower. Durante a visita, explore ainda a coleção nacional de armas e de armaduras britânicas na Royal Armouries e ainda a capela de São João Evangelista, dedicada ao culto normando.

A entrada na Tower of London é paga e custa 22,70£. Há visitas todos os dias: de terças a sábados das 09h às 17h30 e aos domingos e segundas das 10h às 17h30. A última entrada é às 17h.

NOTA: Para mais informações, veja aqui a página oficial.

Tower of London
Tower of London
Tower of London

Tower Bridge

A Tower Bridge é outro dos monumentos mais característicos de Londres. A ponte foi construída em 1894, em estilo neogótico, e desde logo tornou-se numa obra incrível da engenharia civil. A ponte destaca-se das restantes de Londres pelo facto de o seu tabuleiro se dividir em dois, quando sobe, permitindo a passagem de barcos. Na altura, esta foi a solução encontrada para que as cargas provenientes de todo o império britânico continuassem a chegar à capital. Quando o tabuleiro da ponte subia, os peões faziam a travessia subindo os mais de duzentos degraus das suas duas torres e percorrendo a galeria que as separava.

Hoje em dia, é possível fazer esse mesmo trajecto. A entrada é paga (ronda as 10 libras por adulto) e a visita inclui vistas panorâmicas de Londres do alto da Tower Bridge, a 42 metros de altura. De Abril a Setembro, época alta, o horário das visitas é das 10h às 17h30. A entrada dá-se pela torre noroeste e a saída é por uma loja, na margem sul do Tâmisa.

NOTA: Pode consulta mais informação sobre a Tower Bridge aqui.

Tower Bridge
Tower Bridge
Tower Bridge
Tower Bridge

London City Hall 

Perto da Tower Bridge encontra-se a nova Câmara Municipal de Londres, ou a city Hall. O edificio é facilmente reconhecido dada a sua estrutura circular e forma arrojada junto do rio. A câmara municipal foi inaugurada em 2002 e desenhada pelo renomado arquiteto inglês, Norman Foster. A estrutura do edifício permite-lhe gerar poupanças enormes de energia, além de vistas incríveis sobre o resto da cidade. A estrutura arrojada já lhe valeu, porém, duras críticas por reflectir fortemente o sol em algumas horas do dia e por estragar a pintura dos carros estacionados nas suas imediações.

London City Hall 

The Shard

O The Shard é o edificio mais alto em toda a Europa, com 72 andares e 310 metros de altura. O arranha-céus é uma obra do arquitecto italiano Renzo Piano, inaugurada em 2012. Revestido totalmente em vidro, o The Shard tem formato triangular irregular. As vistas do seu topo são absolutamente incríveis. É possível obtê-las subindo ao topo do arranha-céus, até ao terraço panorâmico situado no 72.º andar.

A entrada obviamente é paga e custa 30,95£. Os bilhetes comprados online são mais baratos: custam 24,50£. O bom destes bilhetes é que, caso não seja possível observar Londres do topo do The Shard, a entrada para o terraço panorâmico está válida por mais 90 dias. Há ainda descontos em restaurantes e, por um valor pago à parte, experiências em termos de realidade virtual. Caso decida pagar mais 8 libras ainda recebe uma taça de champagne. Vale tudo na hora de melhorar a experiência naquela que é a ‘melhor vista panorâmica sobre Londres’. Também o The Shard tem sido criticado por reflectir em demasia o sol em algumas horas do dia.

NOTA: Para saber mais sobre o The Shard, entre aqui.

City Hall e The Shard, ao meio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *