São Miguel II – roteiro pelo centro e ilhéu de Vila Franca

O ananás dos Açores é um dos produtos mais conhecidos de São Miguel e do conjunto do arquipélago açoreano. A história do cultivo desta fruta na ilha é antiga e remonta ao séc. XIX, quando os veleiros que ligavam a América do Sul à Europa escalavam na ilha. Nessa altura, a produção de laranja puxava pela economia micaelense e o ananás era tido como uma mera planta ornamental cuja produção visava meramente o mercado britânico. Com o declínio da laranja, o ananás foi tomando progressivamente o seu lugar, não só pelo seu delicioso sabor, mas também pela elevada rentabilidade, apesar de a produção ser difícil e demorada. Hoje em dia, é possível visitar diversas estufas de ananases na zona de Fajã de Baixo, às portas da cidade de Ponta Delgada, e aprender um pouco mais sobre o seu processo de produção. E é justamente por lá que se inicia o segundo roteiro de carro por terras micaelenses.

Plantação de ananases em Fajã de Baixo

Uma das plantações de ananases mais conhecidas de Fajã de Baixo é a ‘Ananases Augusto Arruda’, situada na rua Doutor Augusto Arruda, em Fajã de Baixo. Ali, o ananás ainda é produzido à maneira tradicional, em grandes estufas brancas de vidro e utilizando técnicas de aplicação de fumos e de ‘camas quentes’, à base de matéria vegetal. A humidade típica dos Açores ajuda ao processo produtivo dos ananases. Desde o cultivo dos ‘brolhos’ até à apanha do fruto, o ciclo de crescimento do fruto demora dois anos. O grande impulsionador desta plantação de ananases foi o doutor Augusto Arruda que transformou uma das propriedades da sua família na enorme plantação de ananases ainda hoje ali existente. Durante a primeira metade do séc. XX, a plantação foi mesmo uma das maiores exportadoras de ananases em todo o mundo. Hoje em dia, está mais virada para a atividade turística, privilegiando junto destes a demonstração do processo produtivo dos ananases. No local há uma gift shop onde é possível comprar ananás dos Açores, bem como outros produtos seus derivados.

Horário: aberto todos os dias, das 09h às 18h. De Abril a Setembro, a plantação fecha às 20h. A entrada é gratuita.

Website oficial: clicar aqui.

Caldeira Velha

Situada na Ribeira Grande, a meio da encosta do vulcão da Lagoa do Fogo, a Caldeira Velha é um parque natural repleto de fetos arbóreos que vale muito a pena visitar. Ali encontra-se uma caldeira fumegante com água em ebulição, a mais de 60.ºC, bem como uma ribeira e duas piscinas de águas naturalmente quentes. O ideal será começar por entrar na piscina natural e cascata com água a 21.ºC e só depois deixar-se estar na outra piscina, onde a temperatura da água ascende a quase 40.ºC. Terá garantidamente um banho para lá de reparador. A entrada no local é paga, mas o valor é simbólico (2 Euros). No local encontrará ainda chuveiros com água fria e vestiários para mudar de roupa.

Horário: de Novembro a Fevereiro, das 09h às 17h; em Março, Abril e Outubro, das 10h às 18h, e de Junho a Setembro, das 09h às 20h30;

Preço: 2 Euros;

Sugestão: leve calção de banho e biquinis já bastante velhos, pois as águas quentes da Caldeira Velha são ricas em ferro e deixam ferrugem na roupa. Esta não sai com facilidade após lavagem da roupa.

Caldeira Velha
Eu na Caldeira Velha

Lagoa do Fogo

A lagoa do Fogo é a mais alta lagoa de toda a ilha e fica precisamente no centro de São Miguel. A lagoa é também a segunda maior, atrás apenas da lagoa das Sete Cidades. Deve subir à encosta vulcânica onde está situada a lagoa num dia sem nuvens para que possa apreciar do topo as vistas espectaculares sobre todos os cantos da ilha. As paisagens são incríveis. Tal como a lagoa das Sete Cidades, também a lagoa do Fogo ocupa a caldeira de um vulcão entretanto extinto. Hoje em dia o local é uma reserva natural classificada, de grande tranquilidade e beleza, composta pela lagoa propriamente dita, por algumas pequenas praias de areia e pela vegetação luxuriante envolvente.   

Lagoa do Fogo
Lagoa do Fogo
Paisagens incríveis do topo da Lagoa do Fogo
Vacas a pastarem nas encostas da Lagoa do Fogo

Almoço no bar-esplanada ‘Caloura’

O restaurante ‘Caloura’ é, talvez, o local onde pode comer o melhor peixe grelhado do dia em toda a ilha. Situado na localidade de Água de Pau, em Lagoa, o restaurante localiza-se junto a um pequeno porto e estância balnear muito apreciada pelos locais. Ali poderá provar também alguns pratos típicos de marisco micaelenses como as lapas de molho Afonso ou, ainda, as cracas. Não deixe de apreciar também os caseiros bolos de mel ou de ananás.

Contactos: 296 913 283;

Horário do restaurante: todos os dias, das 10h às 02h;

Morada: Rua da Caloura, n.º 20, Água de Pau, 9560 – Lagoa;

Website oficial: clicar aqui.

Bar-restaurante ‘Caloura’

Ermida de Nossa Senhora da Paz, Vila Franca do Campo

Vila Franca do Campo foi a primeira capital da ilha de são Miguel e é hoje ponto de paragem obrigatório para quem quer visitar o seu ilhéu. Algumas das melhores praias em toda a ilha também se localizam neste concelho. Aproveite para comprar em alguma pastelaria da cidade as típicas queijadas artesanais de Vila Franca do Campo.

A partir da cidade poderá chegar à Ermida de Nossa Senhora da Paz, localizada no cimo de um monte com o mesmo nome. A ermida terá sido construída em 1764, depois da aparição a um pastor numa gruta da Virgem Maria. O acesso à capela faz-se por uma escadaria muito bonita. Do seu topo é possível ter algumas das mais bonitas vistas panorâmicas de Vila Franca do Campo e do seu ilhéu.

Ermida de Nossa Senhora da Paz
Vistas de Vila Franca do Campo e seu ilhéu do topo da Ermida de Nossa Senhora da Paz

Ilhéu de Vila Franca do Campo

O ilhéu de Vila Franca do Campo é um pequeno paraíso dentro do paraíso que é a ilha de São Miguel. O local, classificado como Reserva Natural, é o resultado da ação de um vulcão submerso, também ele já extinto, e encontra-se localizado a um quilómetro da vila, só acessível de barco.

As paredes do ilhéu estão revestidas de vegetação endémica. No seu interior há uma piscina circular natural que comunica com o mar por uma estreita passagem. Por estar virada a norte, na direção da ilha de São Miguel, não há agitação marítima no interior do ilhéu. O local é ótimo para praticar natação ou mergulho.

O ilhéu ficou mundialmente conhecido por abrigar uma das etapas da competição de mergulho em penhascos, ‘Red Bull Cliff Diving’. O acesso ao local só é feito de barco, pela empresa ‘Cruzeiro do Ilhéu, a partir do cais de Tagarete, em Vila Franca do Campo. Por ser uma reserva natural, o número de visitantes por dia é limitado pelo que deve comprar os bilhetes online, antecipadamente. A praia é vigiada, mas, no local, não há quaisquer bares ou cafés, pelo que deve trazer consigo água e comida, caso queira passar por ali o resto do dia. Deve também trazer toalha porque o solo é rochoso.

Reservas online: poderá efectuar as reservas online do barco acedendo aqui.

Horário dos barcos: há barcos desde as 10h às 18h. Os barcos saem à hora certa de Vila Franca do Campo (às 10h, 11h, e por aí adiante) e dez minutos depois do ilhéu (10:10, 11:10, etc.). Poderão existir outras ligações de barco fora destes horário caso o número de pessoas a transportar para ambos os lados se justifique.

Cais de Tagarete, Vila Franca do Campo
Interior do Ilhéu de Vila Franca do Campo
Panorâmica do Ilhéu de Vila Franca do Campo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *